Cida Para pensar

Amor imensurável

segunda-feira, novembro 15, 2010Cida Kuntze

Imagem: site da revista Crescer

     Quando eu não era mãe, não conseguia avaliar o tamanho do amor materno. Sabia que era enorme, mas não sabia o quanto poderia ser. Eu ouvia falar da força que uma mulher poderia ter para salvar um filho e ficava admirada.
     Certa vez assisti na tv uma reportagem de uma mãe, aqui no Brasil, super magrinha e frágil, que havia conseguido levantar um portão de ferro pesadíssimo, que havia caído sobre seu filhinho. Se não fosse ela ter erguido o portão rapidamente para que tirassem ele de baixo, a criança não teria resistido. Os bombeiros ao chegar no local não conseguiam acreditar que ela sozinha tinha erguido aquele portão, pois foram necessários 3 homens para retirá-lo da calçada.
     Em outra ocasião assisti outra reportagem, onde uma mãe, não lembro o país, foi com seus dois filhos cavalgar (uma adolescente e um menino), quando de repente um tigre surgiu. Assim que ele correu em direção ao filho menor para atacá-lo, ela sem hesitar pulou do seu cavalo e começou a lutar com o animal. Gritou para que os filhos fugissem e fossem pedir ajuda. Assim que o socorro chegou, o tigre não estava mais ali, apenas uma mãe, toda ensanguentada agonizando. Se aproximaram e ela perguntou dos filhos; eles disseram que as crianças estavam sãs e salvas, ela então com um sorriso deu o seu último suspiro. Imagina, ela aguentou viva até ter a certeza que os filhos estavam bem e fora de perigo.

     As mães não medem esforços, não vêem barreiras, quando o assunto é a segurança e a felicidade dos seus filhos.
    
     Abaixo vou transcrever resumidamente uma história que retrata muito bem esse sentimento, talvez já conheçam. Autor do texto original: Jim Stovall.

Movendo Montanhas


Imagem: Google

     Havia nos Andes duas tribos em guerra. Uma vivia na parte baixa; a outra, na parte alta das montanhas.
     Um dia, a parte baixa foi invadida pelos povos do alto, que, além de saquearem os inimigos, raptaram um bebê e o levaram para as montanhas.
     Os povos da parte baixa não conheciam os caminhos usados, não sabiam como chegar ao alto. Mesmo assim, enviaram seus melhores guerreiros para subir a montanha e trazer de volta a criança. Tentaram diferentes métodos de escalada e nada. Após vários dias de esforços não tinham subido nem quinhentos metros.
     Sentindo-se impotentes e sem esperança, consideraram a causa perdida e começaram a se preparar para voltar para a cidade, quando de repente viram a mãe descendo com o bebê. Ele estava amarrado às costas da mulher. Como era possível?
     Um dos homens a saudou, dizendo: "Nós não tivemos êxito em subir a montanha. Como você chegou ao alto se nós, os homens mais fortes e capazes da cidade, não conseguimos?"
     Ela encolheu os ombros e respondeu: "É que não era o filho de vocês que estava lá."

Imagem: Google

     Queridas mamães e papais que estão nos acompanhando no blog, não é assim mesmo que reagimos ante uma dificuldade dos nossos filhos? Achamos forças que não imaginávamos ter para defendê-los ou resgatá-los numa situação de perigo.

     Se nós, falhos mortais, temos esse imenso amor por nossos filhos, quanto mais Deus, que provou esse amor enviando seu único filho,  Jesus Cristo, para nos salvar. 
     Que possamos lembrar sempre disso e nos sentir amados e cuidados por Deus, pois somos Seus filhos e Ele está sempre nos alcançando e resgatando, pois o SEU AMOR É IMENSURÁVEL.

     Beijinhos carinhosos pras mamães e abraços pros papais.

VEJA MAIS POSTAGENS

15 comentários

  1. Cida,
    Adoro vir aqui às segundas e ler os seus belos posts. Trazem sempre mensagens maravilhosas ! Esse de hoje não foi diferente. Emocionei-me com os seus relatos. E logo lembrei de um que vi ou li em algum lugar. Havia duas mães lutando por uma criança. As duas se diziam mães e como era numa época que ainda não existia exame de DNA, não havia como provar cientificamente. Eis que um Rei teve uma sábia decisão. Diante das 2 mulheres, disse que ia matar a criança. LOgo uma deles, pediu que fizesse aquilo e preferia ver a criança ser entregue à outra. Foi aí que o Rei reconheceu quem era a verdadeira mãe. Exatamente aquela que preferiu entregá-lo a outra do que vê-lo morrer. Por um filho somos mesmo capazes de tudo. Beijinhos e uma ótima semana pra vc !

    ResponderExcluir
  2. Oi Débora querida!
    Conheço bem essa maravilhosa história, ela encontra-se em I Reis 3:16 ao 28. O rei era Salomão, ele agiu com muita sabedoria, pois a verdadeira mãe da criança preferia ver seu filho nos braços da mãe impostora, do que morto.
    Um grande beijo e uma abençoada semana pra você e pra todas que passam por aqui.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, me emocionei! Realmente nosso entendimento não consegue alcançar o quão grande e maravilhoso é o amor de Deus por nós!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Cida, que lindo texto! Tb me lembro dessa mãe que segurou o portão.
    Qdo ouvia falar de amor de mãe, tb não imaginava que seria tanto. Agora eu entendo. A gente ama tanto que o coração chega o doer.
    Ontem José Marcos estava brincando e eu organizando algumas coisas. De repente ouvi um choro estranho, diferente do normal. Fui correndo ver o que era e José tinha colocado uma pecinha de um brinquedo na boca. A pecinha era bem grande e ele com a boquinha aberta, com a pecinha lá dentro.
    Eu fiquei toda mole, mas imediatamente tirei aquilo de lá. Chorei muito e me culpei tb. Briguei com o marido, mas depois ficou tudo bem.
    Eu olho todos os brinquedos para que nada de mal aconteça com ele. Não imaginava que aquela pecinha caberia na boquinha dele.
    Olha, eu fui tão rápida que depois fiquei imaginando como consegui agir assim.
    É o amor, o instinto de mãe.
    Bjs querida, vc sempre nos abençoa com suas belas postagens e obg pelo comentário na minha postagem sobre bullying.
    Genis.

    ResponderExcluir
  5. Amiga Cida, achei lindo o seu post! E é exatamente assim que me sinto em relação ao Daniel, tiro forças de onde não há quando ele precisa de mim. Depois dele me descobri uma pessoa forte como eu não sabia que era.
    E o amor de Deus ainda é maior! Não dá nem para imaginar...
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Lindo texto! Fazia tempo que eu não passava por aqui! Bjinhos

    www.mummybrown.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Lindo texto, fiquei emocionada!
    Realmente é incrivel o que o amor pelos nossos filhos faz conosco. Graças a Deus nunca senti o poder desse amor diante de situações de perigo, mas vejo as mudanças que ele me causa diáriamente.
    Bjos e até mais!
    www.devaneioslunares.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Nossa, Cida, que texto lindo! Fiquei emocionada com as histórias. E sem dúvidas, é exatamente assim que acontece. Matamos e morremos por nossos filhos. Vou lá conhecer seu blog.

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  9. Olá Cida, amei o post... tem selinho pra vc no meu Blog! Passa por lá, Bjokas! Tenha uma ótima terça feira!

    ResponderExcluir
  10. Cida minha amiga, como sempre com mensagens de extrema importância e que tocam o coracao.

    Mas é assim mesmo, eu também nao imaginava esse sentimento enorme, e em como viramos leoas para proteger os nossos filhos.

    Lembro também de uma reportagem na Tv, aí no Brasil, de uma mae que viu o filho se afogando e um buraco de obra que nao foi fechado.
    Ela nao sabia nadar e pulou instintivamente para salvá-lo.
    Filmaram isso, o coracao quase sai pela boca ao assistir, mas nao é que ela conseguiu salvar o seu menino?
    Eu nem era mae naquela época e fiquei emocionada!

    Lindo post, parabéns.
    Beijocas :)

    ResponderExcluir
  11. Pôxa, vc por aqui tbm, vim correndo qdo vi o link no seu blog... parabéns... mais um local pra gente se alimentar de lindas postagens... abração e vou seguir tbm... rs...

    ResponderExcluir
  12. Ah.... não sou mamãe "ainda", se Deus permitir o sereei um dia pra entender melhor o que é amor de mãe... bjoo!

    ResponderExcluir
  13. É bem verdade isso. Apesar de todos os medos e inseguranças quanto ao bem estar do pequeno nós viramos verdadeiras leoas!

    Beijinhos

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!