Cris Chabes

Ser Mãe e Adoção

sábado, junho 25, 2011Cris Chabes

Tive dois filhos e senti a maior emoção de todas ao ver o lindo rosto do meu bebê chorando quando a enfermeira apresentou-os na maternidade, ainda na mesa de cirurgia. 
No entanto para as mulheres que tem dificuldade de engravidar essa emoção vira dor e angustia. 
Há 7 anos atrás uma amiga estava em tratamento para engravidar e aqui em casa nós sofríamos muito sem saber como ajudar. Ela e seu marido tentaram inseminação duas vezes e acabaram desistindo. Conversamos sobre adoção, mas devido a dor vivida naqueles momentos, eles não queriam partir para esse procedimento.
Após alguns dias de reflexão, pensei em oferecer-me para gerar o filho que eles tanto queriam, já que o tratamento de inseminação não estava funcionando com ela. Graças a Deus, nem cheguei a comentar essa ideia com ela pois a notícia da gravidez invadiu nossos corações de alegria. 
Hoje minha amiga tem uma linda filha e eles são muitos felizes. 

O Ministério Público disponibiliza uma cartilha sobre adoção Link
Leiam esse depoimento sobre adoção 



Entrou o mês de Maio. O dia das Mães está chegando. Não há como disfarçar, mas nesses dias o sentimento e o poder de ser mãe aflora nos nervos de todas nós que somos.Já se passou um pouco mais de um ano desde que comecei a me aventurar nessa doce difícil missão. E as mesmas velhas questões continuam a serem feitas pelas mesmas velhas pessoas: Por que ser mãe? Por que não casar? Por que adoção? Por que não engravidar? Por que duas crianças? Por que adotar sem um pai? Por que não um carro novo ou uma viagem ao exterior? Por que amar quem nem se conhece? Por que amar? Como amar?E mesmo assim tem muita gente que insiste em responder por mim. 
Queria eu garantir minha entrada no céu? Seria eu uma mulher tão mais corajosa ou especial que qualquer outra? Seria eu tão diferente constituindo uma família nada tradicional? Ou apenas louca, instável e inconseqüente? 
Agora estou à vontade e preparada para responder a cada uma dessas perguntas.E a resposta mais comum a todas elas é "não sei".Puxa vida, também não sei se vou me arrepender e muito menos se valerá a pena. Não sei, não sei e não sei.E também não estou nem um pouco interessada em saber ou entender os porquês. Apenas sei que Deus dá a cada um de nós uma missão e uma escolha. E a partir daí é que somos livres para fazer escolhas. E minha escolha não estava ligada a um cordão umbilical e muito menos em fragmentos de DNA. Eu só quis compartilhar um amor puro e mágico com alguém que, talvez, jamais teria a oportunidade de conhecer.Quis transmitir emoções básicas, mas que fazem toda a diferença no final, para alguém que, talvez, jamais sentiria algo parecido.E por não querer absolutamente nada, sou amada incondicionalmente. São meus filhos que estão me doando um amor que talvez eu jamais conheceria; são eles que me ensinam, dia após dia, emoções básicas que estão fazendo a grande diferença pra mim. São eles que estão me transformando, me moldando uma pessoa melhor e dando sentido diferente e espetacular a minha vida.Enfim, cada um tem seu jeito e seu motivo para amar exatamente porque existem infinitas formas e motivos para se amar. E ser mãe é uma das mais loucas e incompreensíveis formas de se amar e um dos motivos mais insanos. Permita-se amar. Não se preocupe como. Não se preocupe por que.

Elaine Andrade

VEJA MAIS POSTAGENS

5 comentários

  1. Adorei a mensagem !!!
    Eu graças a Deus pude sentir essa emoção indescritível que é gerar um bebê !!!
    Mas tenho certeza que mãe é aquela que ama, esse sentimento não tem preço

    ótimo final de semana.
    Bjks
    Andréia

    ResponderExcluir
  2. Cris,
    Quando um casal tem o desejo de gerar filhos e não pode, é uma situação de muita angustia mesmo, para eles e para os amigos e familia ao redor. Temos um casal de amigos nessa situação, e depois de tanto sofrimento, espera, abortos...eles decidiram partir para a adoção.
    Poder gerar um filho é uma experiência indescritível, mas adotar um filho é um ato de amor, uma atitude que pode salvar o futuro de uma criança.
    Muito legal você ter abordado esse tema.
    beijinhos e ótimo final de semana, amiga.
    Lauri

    ResponderExcluir
  3. a mensagem é linda!!
    eu também não me importo em responder os porque apensa vivo cada instante!!
    e agradeço a Deus todos os dias por tudo e por minha filha querida que amo tanto!!

    e muito feliz por sua amiga ter realizado o sonho dela de ser mãe, muitas felicidades!

    ResponderExcluir
  4. Oi Cris!
    Gostei do assunto abordado, pois são duas formas da mulher ser mãe e com certeza ambas trazem as alegrias e as angústias da maternidade.

    Eu, depois de 7 anos casada engravidei, mas íamos colocar o nosso nome pra ficar na fila de adoção, pois pela medicina eu não poderia ser mãe. Fiquei feliz em ter gerado a minha filha, mas uma amiga que tem 2 filhos adotivos, sentiu uma imensa alegria no dia que foi na maternidade buscar os seus filhos adotivos.
    Ela é tão mãezona quanto eu.

    Valeu pelo texto amiga.
    Beijos e um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  5. Eu acho lindo a adoção e super apóio!

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!