alimentação Mamãe Marcella

Você tem fome de que?! Você tem sede de que?!

quarta-feira, junho 19, 2013Mamãe de Salto por Marcella Stelle

Hoje o assunto será alimentação, mas fiquem tranquilas, não será mais um post sobre alimentação saudável, será um post sobre a minha relação com os alimentos e como passo para a Sophia.


Antes de qualquer relato, depoimento ou confissão, dou um tempo para você irem no jardim mais próximo e pegar algumas pedrinhas, afinal, vai que dá vontade de jogar uma em mim ... então estou enrolando para dar tempo de você pagar umas duas, quem sabe três! Pegou?!? Posso continuar, ou melhor, começar?!?! Então, vamos lá!

Eu não tenho nenhum tipo de relação harmônica com o que podemos chamar de “alimentação saudável”! Sim, é verdade ... eu não como fruta, verdura, legume, consequentemente não tomo suco e, refrigerante, sim, mas apenas os a base de cola e aqueles mais famosos, os outros não! Carne, como ... mas tem que ser bovina; ah é, o frango, somente coxa e sobrecoxa, peito apenas desfiado no empadão, strogonoff e na pizza de frango com catupiry. Minha alimentação é muito simples: arroz, feijão, carne! Vivo feliz comendo isso todos os dias! NADA, absolutamente nada que é “chique” ou diferente do trivial eu gosto! E para piorar, tem que ser como eu quero ... assim, eu gosto de batata frita, batatas coradas apenas cortadas pequeninas, tamanhos médios não rolam e, qualquer outro tipo não desce, mas se quiser piorar, basta me servir purê ou Madalena (aquele purê de batata com carne moída).

Agora não sei se tem haver com a falta de opção ou educação demais, dependendo do que você come e como você come também interferem no meu bem estar! Uma vez meu primo colocou inteiro um bombom daqueles coberto com chocolate e recheio de creme de amendoim e eu vomitei! Meu marido até tempos atrás duvidava dessa história e repetiu a façanha, quase chamei o huuuuuuuuuugo mais uma vez!

Se eu tenho problema de saúde!? Milagrosamente não! Minha mãe sempre dizia que “no dia que eu engravidasse iria ter grande complicações” e, na boa, não tive nada, então, hoje ela diz “até aqui o Senhor tem sustentado”. #oremos

Mas daí eu engravidei, uma série de exames tive que fazer e nenhum deu alterado, um milagre mesmo! Minha mãe fazia uns sucos com um monte de coisa para eu tomar, mas só desceu uma vez e, acho que nem ela gostou, afinal desistiu em uma semana.

Sophia nasceu e meu obstetra recomendou que eu parece com o chocolate e o refrigerante no período de amamentação. O refrigerante eu consegui, o doce eu diminui, mas desde a maternidade eu não tive muito leite e, em virtude de todo o emocional, hoje tenho certeza que naquele momento eu não entendi o significado da amamentação e acabei desistindo, por isso, desde os dois meses Sophia ficou apenas no leite artificial em pó, mas respeitei o tempo do leite, aos quase seis meses introduzimos as frutas, sucos, depois alimentação salgada e, com o tempo alimentação de “gente grande”.

Mas daí você pode pensar “e como fica a alimentação dessa criança”?!? Eu explico. Por necessidade eu optei em matricular a princesa numa escola particular desde os sete meses de vida e, essa foi uma das grandes bênçãos da minha vida! Lá ela tem uma alimentação extremamente saudável e, desde que Sophia começou a se alimentar, eu faço o possível para não passar para ela essa minha “carência” alimentar.

Aqui em casa tem frutas, suco ... tudo o que ela desejar comer eu busco oferecer. Houve até uma situação engraçada mas que me deu um orgulho tão grande da minha princesa! Ela pediu suco de morango, eu disse que não tinha, mas que eu iria pegar refrigerante, ela então pediu suco de caju, eu disse que não tinha suco que depois iria comprar mas que eu pegaria refrigerante, daí ela pediu suco de uva e eu mais uma vez disse que não tinha nenhum suco, que depois a gente comprava mas que eu iria pegar um copo de refrigerante ... ela parou, pensou e respondeu “então quero água mamãe”!

Quando Sophia completou dois anos, liberei todo o tipo de comida, excesso duas coisas: petit suisse e iogurte.

Agora, que você já jogou algumas pedrinhas, vou explicar o por que eu deixo minha filha comer tudo o que sente vontade.

Há dez anos minha tia estava grávida do seu primeiro filho, ela com trinta e poucos anos e meu tio passado os quarenta. O tão sonhado filho estava prestes a chegar e tudo foi feito com amor e carinho. Lembro-me que durante toda a minha vida meu tio questionava minha alimentação precária e anunciava aos quatro ventos que o filho dele (que ainda nem existia) JAMAIS iria ser como eu, que teria a melhor alimentação possível, que JAMAIS tomaria refrigerante e se pudesse, doce também seria extremamente controlado.

No dia dezesseis de abril de dois mil e três meu primo nasceu, lindo, grande, forte e muito saudável. Assim que chegaram em casa, em seu primeiro banho, um galão de vinte e litros de água mineral foram usados, sim ... o primeiro e alguns muitos banhos do primeiro mês foram com água mineral. Amamentação em livre demanda e tudo o mais que uma família poderia de melhor oferecer.

Não tinha nem um ano quando deixou de usar fralda e, em pouco tempo já estava se alimentando como “gente grande”, porém não havia papinha, sopinha, arroz, feijão, carne que deixasse João Arthur mais feliz do que pipoca e salgadinho de milho. SIM ... ele passava dias sem comer e, numa ida ao supermercado mostrou interesse por esse tipo de alimentos e era disso que ele vivia!

Prestes a completar três anos, minha tia e meu primo que são do interior do Paraná vieram passar uma semana em nossa casa e, posso garantir que nunca vi alguém comer tanto sorvete como ele naquela semana. Alguns poucos meses se passaram e meu primo queixava-se de muita sede, e sede de água gelada. Consequentemente urinava muitas e muitas vezes ... não era normal. Uma consulta com o pediatra e alguns exames depois o diagnostico: aos dois anos e sete meses João Arthur era diabético tipo I. Realmente meu tio estava certo: ele JAMAIS iria tomar refrigerante e o doce seria extremamente controlado.

Hoje, por incrível que pareça, mesmo com a doença, a alimentação do meu primo é extremamente limitada. Não pela falta de opção, mas o gosto dele consegue ser infinitamente menor do que o meu! Ele não come arroz nem feijão. Carne apenas no churrasco. AMA refrigerante, mesmo precisando ser zero, era aconselhável que tomasse pouco por causa do sódio, mas não tem jeito, ele toma muito. Doce, ele prefere comer um pequenino pedaço de chocolate ao invés de um lanche farto de uma comida mais saudável.

E é por isso que deixo Sophia comer aquilo que ela sente vontade. Antes de engravidar, meu primo era um irmão mais novo, um filho de criação que tinha. Já deixei de fazer muitas coisas para viajar 600km de ônibus para passar dois dias com ele e, por ele acredito que Sophia tenha que ter o privilégio de comer tudo o que quer, óbvio que com moderação.

E na sua casa, como funciona a alimentação?! Existe restrição, tudo é liberado ou tem um “dia da porcaria”?! Quero saber!

Beijos, Má 



Ah, não se esqueçam de conhecer, seguir, curtir e comentar no meu novo blog, 
o Mamãe de Salto!!

VEJA MAIS POSTAGENS

10 comentários

  1. Alimentação é uma coisa extremamente pessoal, claro que agente tenta colocar quase tudo saudavel, mas casa mãe sabe o que é melhor para o seu filho.
    beijos
    maede4princesas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkk
    também não sou assim tão saudável mais
    tento uma vez por semana comer verduras
    mais amo carne moída com purê de batata
    e vou fazer hoje rs
    linda tarde bjs

    http://sermamaepelasegundavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Acho que cada um sabe o que dá pro seu filho. Minha filha está com 4 anos e meio e não toma refrigerante, mas come outras porcarias. Ela não toma porque eu não tomo e isso influencia ela. Uma vez ela perguntou porque eu não tomava e eu disse que fazia dodói na minha barriga, e desde então ela diz a mesma coisa quando lhe perguntam.. É um orgulho mesmo quando alguém oferece e ela diz que não toma refri e que pode ser uma água no lugar!!!

    Não se sinta culpada por deixar comer o que quiser, eu tb deixo. Um dia ela come muito bem e outro muito mal.. O que importa é compensar e não deixar as porcarias reinarem em casa..

    beiJUs
    http://feiffercereja.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Sempre procurei liberar a comida conforme orientações da pediatra e nutricionista da escola (cruzava as informações das duas).
    Ainda não dou açúcar ou sobremesas pra Marina. Mas as vezes dou um iogurte natural ou então aqueles sem corantes ou conservantes, com açúcar da fruta.
    Um dia, depois do pediatra liberar tudo (aos 11 meses), tentei fazer uma papinha de bolacha maisena com leite (achando que ia abafar) e ela odiou.
    O paladar dela é para frutas, e qualquer fruta. Ala ama!
    E adora arroz, feijão, polenta, carninha moída em molho, sopa de legumes... Ou seja, o paladar dela é saudável e talvez porque a escola também oferece essas coisas e ela está acostumada.
    Mas procuramos comer na frente dela só coisas saudáveis também. Porque tudo que ela vê a gente comendo ela quer experimentar.
    Realmente não quero que ela coma de tudo. Quero que ela coma tudo que seja bom pro desenvolvimento dela.
    Mas como disse alguém em um comentário, alimentação é algo bem particular e cada um tem seu método! E temos que respeitar!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Primeiro quero parabenizar por seu post, muito sincero ;) é complicado manter uma alimentação saudável onde temos a disposição pratos prontos e industrializados em nossas mãos. Eu nunca fui das mais saudaveis, mas depois que minha filha nasceu eu me senti responsável pela alimentação, e sempre incentivo uma alimentação saudável, suco natural, frutas e legumes... digo que não foi fácil mas também não foi difícil. Perfeitas nunca seremos. Temos os dias de enfiar o pé na jaca, uma vez por mes rola um mcdonalds, tem pizza e refri, mas tento controlar o máximo. Acredito que é para o bem delas, pela saúde e bem estar. Ensino a sempre experiementar, acho tão chato aquela criança que chega na sua casa e não come nada...Bj.

    ResponderExcluir
  6. Também deixo Kemuel comer o que tem vontade, tomo cuidado que ele se alimente certo, coma verduras e frutas, mas o deixo comer bala, por exemplo quando ele quer. Graças a Deus ele não gosta de refrigerante, acho que vem de casa eu não tomo também, eu nunca ofereci pra ele, um dia o papai dele estava tomando e ele pediu eu falei para que desse uma prova, e ele não gostou por causa do gás e então nunca mais pediu, o que me deixa muito feliz, hehe.
    Ele adora coisas fortes e bem temperadas, alimentos em conserva, por exemplo, eu controlo a quantidade, mas o deixo comer tudo.

    Beijos

    Quézia Silva
    http://kemuelpresentededeus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Ma! Aqui em casa é bem fácil com a Isabela porque (ao contrário de mim!) ela não gosta de besteiras! Nem doc, nem chocolate, nem bolo, nem doces! Nadica de nada! Só comida salgada e mamadeira de manhã e a noite. Come uns biscoitinhos e só. E tbém não tem problema com legumes e verduras. Graças a Deus, tive sorte! bjs Camila Vaz

    ResponderExcluir
  8. Oii Marcella, bom eu sou bem mais flexivel p comer e posso dizer que como quase tudo, no entanto não foi sempre assim, e quando minhas filhas eram pequenas a salvação tbém foi a escola, hotelzinho etc, as duas comem muito bem, a mais nova melhor, a mais velha é mais chatinha p comer mas come bem o trivial! Acho que temos que cuidar da alimentação dos filhos e incentivar o que faz bem sem com isso tirar o que faz mal pelo menos de vez em qdo rsr bjoooss

    ResponderExcluir
  9. Eu fiz a retirada de vesícula aos 28 anos, 1 ano e meio depois da minha filha nascer, meu marido é diabético tipo 1 e minha filha tem problemas com prisão de ventre e tem dias que come mal e outros bem. Aqui estou eu tentando aos poucos uma alimentação mas balanceada. E balanceada no sentido: o que é saudável e o que é porcaria hehe. Vou continuar tentando melhorar a cada dia, mas não é nada fácil. Eu também tinha uma alimentação nada saudável e acho que foi exatamente isso que me rendeu a crise precoce de vesícula. Não cabe a ninguém julgar é verdade, minha filha também já experimentou de tudo, e tem suas próprias preferências. Agora em relação a você ser "ainda" saudável (permita-me apenas um pitaco não é pedra tá?! rs) mesmo alimentado-se assim, um dia isso pode mudar. Eu entendo o exemplo que você usou ... mas mesmo assim acho que uma parte que merece atenção das nossas vidas é a alimentação. Afinal dela que provém a saúde. Uma mudança radical também parece impossível dias de hoje, por isso eu estou indo aos poucos. E quem vos fala é uma mãe de trinta que começou a comer brócolis a pouco tempo, mas como um doce e refrigerante cola todos os dias, religiosamente, no lanche da tarde! Boa sorte amore e parabéns pelo post sincero.

    ResponderExcluir
  10. Olá Marcella, confesso.....fiquei muito surpresa ao ler seu post. Desde o começo achei que vc fazia parte da geração saúde. Não que vc não seja, porém para arroz, feijão e bife não são todos os alimentos da pirâmide alimentar.
    Claro depois de se tornar mamãe da Sophia você fez e faz o melhor em tudo.
    Não acredito em neuroses. Aqui em casa somos normais. Também tive a minha fase arroz, feijão e bife. Depois com os filhos inclui frutas e alguns legumes (para sopinha) e quando já haviam passado dos 2/3 anos bolachas e outras porcarias deliciosas.
    Meu filho mais velho quando tinha uns 3/4 anos teve uma anemia grave e sofreu muito por que tinha que comer beterraba e bife de figado. Daí aprendi.....todos os alimentos são essenciais e importantes para nossa saúde.
    Tem semanas que a alimentação é 10, tem semanas 8 e tem semanas que nem falo.kkkkkk
    Mas na maioria prefiro pensar que tudo que comemos nos prolonga a vida e eu quero viver muito
    Beijocas na Sophia e um enorme em vc.
    Cris Chabes

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!