Irmãs...

quarta-feira, abril 13, 2011Alessandra Marques

Uma jovem esposa estava sentada num sofá num dia quente e úmido, bebericando chá gelado durante uma visita a sua mãe.  Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, a mãe remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para sua filha.
- Nunca esqueça de suas "Irmãs", aconselhou! Serão mais importantes na medida em que você envelhecer.  Independentemente, do quanto você ame seu marido, os filhos que porventura venham a ter, você sempre precisará de "Irmãs".  Lembre-se de ocasionalmente ir a lugares com elas ; faça coisas com elas; telefone para elas ...
"Lembre-se que 'Irmãs' significa TODAS as mulheres... suas amigas, filhas e também todas as suas demais parentes. "Você precisará de outras mulheres".
Que estranho conselho! Pensou a jovem. Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulta. Com certeza meu marido e a família que iniciaremos serão tudo que necessito para dar sentido à minha vida!
Contudo, ela obedeceu à mãe. Manteve contato com suas Irmãs e anualmente aumentava o número de amigas.
Na medida em que os anos se passavam, ela foi compreendendo que sua mãe sabia do que falava. Na medida em que o tempo e a natureza realizam suas mudanças e mistérios sobre uma mulher, "Irmãs" são baluartes de sua vida.
Após mais de 50 anos, eis o que aprendi:
O Tempo passa.  A vida acontece.  A distância separa.   As crianças crescem.
Os empregos vão e vêem.  O amor fica mais frouxo.
Os homens não fazem o que deveriam fazer.  O coração se rompe.
Os pais morrem.   Os colegas esquecem os favores.  As carreiras terminam.
MAS... as "Irmãs" estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilômetros estão entre vocês.
Uma amiga nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por você, intervindo em seu favor, e esperando-a de braços abertos, todas amigas, mães, filhas, avós, noras, tias, primas, sobrinhas -- abençoando nossa vida!
Quando iniciamos esta aventura chamada condição feminina, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante. Nem sabíamos o quanto precisaríamos umas das outras.


Autor Desconhecido


http://www.sermaequeviagem.blogspot.com/

VEJA MAIS POSTAGENS

4 comentários

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Meninas:

    A Genis está sozinha às terças-feiras!!!
    Quer companhia?

    Ah! Tá rolando uma novela da vida real lá no Diário. Passem por lá!!!
    http://diariodos3mosqueteiros.blogspot.com/2011/04/vai-recomecar-diario-da-mirys.html

    Bjos e bençãos.
    Mirys

    ResponderExcluir
  3. Oi Alê!
    Que texto lindo.
    Não tenho irmã de sangue, mas tenho amigas muuuito especiais.
    Beijos.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!