Cris Chabes

sábado, abril 16, 2011Cris Chabes

Olá mamães, na outra semana li um post lindo da Cida “O Telefone à meia noite” que me fez chorar muito e que me levou a escrever esse texto.

Quando meus filhos tinham por volta dos 15 anos começaram a participar daquelas famosas festas de debutantes de suas amigas da escola. Eles eram convidados a fazer par com alguma garota na hora da valsa e eu corria para alugar a roupa. Ficava encantada em vê-los naquela roupa. Aqui a foto do Marcelo e os amigos

Nem me importava de levá-los ou buscá-los às 3 horas. Posso dizer hoje que essa época era bem tranqüila se levar em consideração que sabia onde eles estavam e a que horas retornariam.

Mas o tempo passa e começa o tempo das “baladas”. Na época do Marcelo os jovens não tinham celular, alias quase ninguém tinha. (para comprar um celular você tinha que fazer uma inscrição, receber a carta em casa e ir até uma loja comprar “um tijolo” rsrsr – dei o meu como parte de pagamento de um carro, pode??? Rsrsrsrs).
Tempos depois comprei um em cinco prestações e sempre que o Rafael saia, levava. Na foto o Rafael e a turma em uma balada na viagem de formatura.

Um episódio “cômico” foi quando acordei no meio da noite assustada e liguei no meio da balada só para saber se estava tudo bem. “um barulho louco de música e uma garota ao lado” Todos os meus amigos riram dessa história menos eu.

Quando o Marcelo foi estudar e trabalhar na Irlanda ligava para ele ou mandava um torpedo dizendo: “meu coração está apertado, se possível me liga?”

Hoje, quando um deles vai viajar eu só digo: “Por favor, me liguem quando chegar e quando estiverem na estrada retornando, vocês conhecem coração de mãe”. E eles ligam e eu agradeço a Deus por cada minuto, cada telefonema e por cada caminho que eles trilharem.
Se os filhos soubessem o valor de um simples “Oi MÃE” por telefone, eles o fariam com mais freqüência.
Sei que nada substitui o olhar e o estar presente, mas a vida segue e todos os filhos têm que seguir com suas vidas. Que Deus os guie e os guarde!

Beijocas Cris Chabes

Observação: Nos próximos 3 post combinei com o Marcelo que falarei sobre a viagem e aventuras dele na Irlanda. Acompanhem.

VEJA MAIS POSTAGENS

4 comentários

  1. Verdade, eu que tenho filhos em todas as idades (adulto, 23 adolescente 15 e bebês Gêmeas com 3 e caçula com 1) sei disso muito bem. Quando os grandes saem e guardam o celular em algum bolso secreto e não ouvem tocar por causa do barulho, é briga na certa quando voltam pra casa!!!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Cris!
    Eu imagino mesmo o aperto no coração em querer notícias para saber se estão bem.
    Eu tenho uma sobrinha que o engraçado era que ela sempre me enviava torpedos da onde estava...rsrsrs. Acho que era porque eu sempre dizia: "Querida, manda notícias pra tia, pois me preocupo com você!" Imagina se fosse minha filha!!!

    Com certeza vou aguardar e acompanhar os novos posts com as viagens e aventuras do Marcelo na Irlanda!!!

    Beijinhos queridaaaaa.

    ResponderExcluir
  3. Oi! Tô sumida, mas tô voltando!!! (ou pelo menos tentando).
    Vim avisar que estou com outro blog só para perguntas e respostas sobre maternidade. Dá um pulinho lá pra conhecer. Vou adorar!!!
    maternidadeperguntaserespostas.blogspot.com
    bjs.
    andrea, mamãe da manu
    manias de ser mãe.blogspot

    ResponderExcluir
  4. Cris, gosto muito dos seus posts! Fico imaginando como será o Daniel adolescente...adulto.rsrs
    Acho linda a sua relação com seus filhos já grandes.
    beijinhos, Lauri

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!