Dani Garcia

E agora, preciso de uma babá?

sexta-feira, novembro 04, 2011O mundo da Dani

Esse é um assunto bemmmmmmmmm delicado para nós mães...
tem gente que precisa muito delas, tem gente que não queria precisar, tem gente que não quer elas..



Você tem ciúme da babá do seu filho? Pois saiba que até as celebridades sofrem com isso. Em uma entrevista recente, a apresentadora Angélica disse que, quando percebe que seus filhos, Joaquim e Benício, estão muito apegados com a babá, ela logo dá uma folga para a empregada.

São muitas as perguntas que passam pela cabeça dos pais quando contratam uma babá: será que meu filho vai acabar reconhecendo a babá como mãe, porque fico muito tempo fora de casa, trabalhando? Mesmo tendo babás, ainda devo cuidar dele, trocar fraldas, dar banho? Todas essas dúvidas são normais. Afinal, a babá, que geralmente surge na família junto com o primeiro filho, também chega sem manual de instrução. Daí surgirem conflitos, principalmente na cabeça da mulher.

As confusões são tantas que muitas chegam a sentir ciúmes e proibir beijos entre as babás e os filhos, esquecendo que a primeira qualidade dessa profissional deve ser exatamente a de amar a criança a quem cuida. Para um bom começo, o casal deve determinar a hierarquia na relação e deixar claro o que é papel da babá e o que é papel dos pais. Ninguém deve invadir o espaço do outro. A babá vai ajudar o casal a cuidar da criança e não fazer isso por ele, por exemplo. "Toda criança precisa de modelos, de referências para se desenvolver, e isso precisa vir dos pais", diz Dóris Barg, diretora do Espaço Mammy To Be, especializado em gestantes e pós-parto, ao descrever a babá ideal. Segundo sua experiência, esse é o maior desejo dos casais, e das babás também. Uma profissional com esse perfil, segura do seu papel, também evita eventuais conflitos.


Não existe a melhor babá do mundo. Existe aquela ideal para a sua família. Você já pode ter uma idéia se ela é a pessoa que procura na entrevista. Antes de falar pessoalmente, faça uma pré-entrevista por telefone e cheque as referências.
Por telefone, pergunte:
- Nome completo
- Telefone fixo - celular não é 100% confiável.
- Residência: vá até onde ela diz que mora, procure saber com vizinhos como ela é, como trata as crianças, etc
- Agência, e ligue depois na empresa para confirmar
- Referências de empregos anteriores, se ela tiver. Exija tudo documentado
- Pretensão salarial
 Depois de checar todas as referências e aprová-las, marque um encontro com a babá.

Pessoalmente, pergunte:

- Como é sua família?
- O que fazia quando era criança?
- Do que mais gostava de brincar?
- Onde mora?
- Com quem vive?
- Você tem filhos?
- Como são seus hábitos alimentares?
- Por que decidiu ser babá?
- Há quanto tempo trabalha na área?
- O que mais gosta e o que menos gosta no serviço?
- Qual sua disponibilidade de trabalho? Pode viajar? Se precisar que durma uma noite, tudo bem?
- Você está trabalhando atualmente? Por que pensa em trocar de emprego?
- Qual o nome das crianças com quem trabalhava? (se ela não responder rapidamente, desconfie da atenção que ela vai dar aos seus filhos)
- Já fez algum curso (como de formação de babás, noções de primeiros socorros)?
- Já passou por uma situação de emergência? O que aconteceu e como resolveu o problema?
- Pode fazer trabalho doméstico?

E se seu filho ficar muito apegado a ela?
E se seu filho chamar ela de mãe?
E se seu filho chorar por ela?
E se ela não der tanta atenção quanto vc gostaria?
E se ela ensinar coisas que vc não gostaria?
Tenho certezaaaaaaa q toda mãe ja se questionou né.....

Beijãooooooooooo
Dani Garcia


VEJA MAIS POSTAGENS

12 comentários

  1. E agora, preciso de uma babá, esse tema veio para me ajudar a esclarecer vários pontos já que eu passei por um sério problema com a babá do Samuel.
    Adorei as dicas e acho que a melhor opção é mesmo a escolinha rsrsrs.

    ResponderExcluir
  2. Meu filho de 2 anos tem baba, e eles tem uma relacao unica. As vezes tenho ciume sim, mas me reconforto com o fato que eles se amam e ele vê uma amiga nela. Ontem mesmo perguntei o que eles fazem juntos e ele me respondeu: brincamos mamae. Ah, ele fica no colegio de manha, assim nao fica o tempo todo com ela apenas !

    ResponderExcluir
  3. Andreia pensei muito em vc...
    Eu tb ainda prefiro a escola... pois por mais q existam outros riscos, ainda parece mais seguro
    bjaooo

    ResponderExcluir
  4. Cristiane, eu morreriaaaaaa de ciumes, mas é claro q prefiro q eles se amem do q se odeiem né...rsrsr mas mãe é um bixinho dificil d entender né...kkk
    bj

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Oi Dani!
    Que legal esse texto, muitas dicas importantes pra quem deseja contratar uma babá.

    A escolinha também acho uma boa opção quando a mãe mesmo não pode cuidar.
    Mas tem crianças que tem muitos probleminhas de saúde e os pediatras aconselham a ficar em casa, sei disso porque conheço crianças assim. Daí vem a necessidade de uma babá.

    Eu nunca precisei dos serviços de babá e nem colocar cedo minha filha na escolinha, pois optei sair do trabalho pra ficar com ela, tive essa condição, mas conheço 2 babás maravilhosas.
    Elas amam as crianças que cuidam e as crianças são muito apegadas a elas também, mas as mães não ligam, pois viajam muito e ficam tranquilas por ver esse amor entre seus filhos e essas maravilhosas babás.
    O problema é que não é tão simples e fácil achar pessoas assim, dispostas a amar realmente o filho dos outros.
    Só Deus mesmo pra dar a direção.
    Por isso a escolinha se torna uma melhor opção na maiorida das vezes.

    Beijinhos e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  7. Dani eu tenho uma pessoa que cuida da Laura, mas o marido ou eu sempre damos umas incertas e além disso a Laura adora a mulher... Fico sempre de olho e de ouvido bem aberto.. Mas mesmo assim, confio desconfiando sempre... Mais seguro só comigo mesmo.....
    Tema muito polêmico, né... Ano que vem acho que vou colocá-la na escolinha também...

    Beijos
    Carol

    ResponderExcluir
  8. Cida quando agente precisa mesmo de uma baba, tem q rezar e pedir q ela seja uma segunda mãe para nossos filhos né...
    bjao

    ResponderExcluir
  9. Carol...eu tava sempre confio desconfiando...quando vou na praçinha fico d olho nas outras babas....rsrsrrsrs

    bjus

    ResponderExcluir
  10. JM às vezes se enrola e me chama de "Tia", mas logo se corrige e me chama de "mamãe". Isso se deve, é lógico, às tias da creche, mas eu acho ótimo! Não dele me chamar de tia, mas dele amá-las e eu sinto que é recíproco. Elas o tratam muito bem e por vezes ele chora pra não vir embora.
    Coração aperta? Sim! Mas penso ser melhor ele gostar muito da creche e das tias do que chorar lá enqto eu trabalho.
    Beijos e adorei o post!
    Genis ♥

    ResponderExcluir
  11. Ah, enqto às babás... prefiro creche... mas tb não vou generalizar né?
    Bjs, Genis ♥

    ResponderExcluir
  12. pois é genis, eu acabo achando q a creche seria mais segura né...

    bjao

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!