escolas

Como meu filho ficará dentro da escola??

sexta-feira, fevereiro 03, 2012Cris Chabes

Olá amigos 
Muito tem se falado nestes dias sobre o retorno às aulas. 
Para os pais com filhos já em idade escolar há sempre um momento de ansiedade há ser superado, mesmo para aqueles já acostumados com essa rotina. 
Todos pensam: "Será que ele vai se acostumar a nova escola, a turma, a novos professores, etc..."

Mas existem ainda aqueles pais cujos filhos, ainda muito pequenos, entram pela primeira vez na escolinha: "berçário, maternal, mini maternal, jardim, etc." 
Como professora, não sei dizer qual coração bate mais, se dos filhos ou dos pais.
Como mãe, digo que os pais sofrem mais do que as crianças, pois ainda sentem-se inseguros de deixar seus filhos aos cuidados de estranhos.
Mas para tirar algumas dúvidas, vou falar como professora e a vivência dentro da escola.
Sabemos que os primeiros momentos com os pequenos, logo que são deixados por seus pais, podem gerar diferentes reações: choro, euforia, ansiedade, dor de barriga, vômito, etc. isso por que eles ainda não estão acostumados com o novo ambiente. 
imagens do google
Algumas escolas costumam ter um período inicial de adaptação, solicitando aos pais que deixem seus filhos por uma hora no primeiro dia (em alguns locais é permitido ficar junto), duas horas no segundo dia e assim por diante, com o objetivo de gerar segurança para ambas as partes.
As educadoras, normalmente chamadas de "tias" vão receber os pequenos com toda atenção e carinho, encaminhando para atividades previamente planejadas e que possibilitem a melhora adaptação possível da criança ao grupo.
As crianças já se sentem seguras ao ver outras crianças brincando e por esse motivo param de chorar.
imagens do google
Comer o lanchinho nos primeiros dias pode ser uma situação diferente para eles, visto que essa situação só ocorre na companhia da família e não de estranhos. Mas aos poucos eles tendem a comer naturalmente.
A educadora que vai receber seu filho é normalmente a mesma que ficará com ele durante o período e isso fará com que aos poucos haja um envolvimento emocional parecido com o que ele recebe na família.
Importante é deixar sempre claro para os pais que o período de adaptação pode gerar momentos de choro mas que logo passa. E que o contato da família com a escola deve ser sempre munido de segurança e respeito para que a criança sinta que naquele novo ambiente ela também será bem tratada.
Beijocas
Cris Chabes

VEJA MAIS POSTAGENS

15 comentários

  1. Pessoal, mandei um email para vocês com um convite para fazerem o vídeo sobre o Recanto. Vocês receberam?
    Bjs e obrigada,

    Priscilla
    www.mamatraca.com.br

    ResponderExcluir
  2. É esse negócio de adaptação é difícil mesmo!
    A primeira vez que a Ingrid foi para a escolinha ela tinha 1 ano e meio e não chorou para entrar, pelo contrário, não queria mais voltar para casa e chorou na hora de ir embora. Eu aguento isso?

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olha ótimo post, como todos aqui do recanto.
    Mas esse eu não poderia deixar de comentar, pois é exatamente sobre o que eu estou passando.
    Quem me conhece lá do blog sabe que eu nunca me separei da Luisa para nada, a não ser dois dois dias que fiquei no hospital para ter a Sofia.
    Quando eu falo em nunca me separei é no sentido real da palavra tá???
    Ontem foi o primeiro dia de adaptação da Luisa. Duas horinhas.
    Como ela ficou? Me jogou um beijo de dentro da sala e a professora falou que eu poderia descer e ficar com as outras mães!!!
    Fiquei assim... hã????
    kkkk, nem uma fotinho????
    Na verdade na reunião que teve no dia anterior falou exatamente que foi escrito neste post: muitas das vezes a gente que atrapalha, pois a criança já entra na salinha, interage, vê um monte de novidades aí vem a mãe e fala: Filha (o), dá um beijinho na mamãe!!!!kkkkk, pronto, vai tudo por água abaixo!!!!
    Claro, não fiz isso, apesar de ter dado vontade, confesso, mas segui a orientação da professora, desci e não fui chamada nenhuma vez!!!
    Hoje será o segundo dia, vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos, rs.
    Vou contar tudinho lá no blog tb!
    Parabéns pelo post!
    Beijos, Mirella.

    ResponderExcluir
  4. Oi Cris,
    Adorei o post, estou passando por issi esta semana.
    Desde que a Anita nasceu ha 2 anos e meio a tras eu nunca me separei dela, no máximo algumas horinha e mesmo assim eu só a deixava com a minha mãe. Sou uma mãe neurótica assumida, minha filhota nasceu prematura pesando 1,700kg, em plena pandemia de gripe suína, eu sou microbiologista, imagina o surto!!!!!
    Bom segunda eu a levei para escola com o coração apertado, ela entro abaçou a professora olhou pra mim com um lindo sorriso e disse " Agora vc já pode ir mamãe" eu sorri dei tchau e fui chorar no carro! Como assim???? meu cisquinho virou uma linda menininha independente !
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ótimo post, sempre com ótimos assuntos ;)

    beijos.

    ResponderExcluir
  6. Cris, realmente nós os pais sofremos muuuito...rsrs
    Nossa, gostei muito da forma como você escreveu o texto, contando sua experiência como mãe e como educadora.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Ótimo texto Cris!
    Você tem experiência dobrada, de mãe e professora, daí tinha que ficar tão bom e completo.
    Minha filha só foi aos 6 anos pra escola e mesmo assim eu fiquei com o coração cheio de sentimentos misturados...rsrsrs... alegria, saudade, expectativas, etc.
    Agora ela já vai pro segundo e estou na expectativa da segunda-feira, como será a nova professora, os novos amigos, enfim... acho que eles crescem e a gente continua a mesma...rsrs.
    Beijinhos amiga.

    ResponderExcluir
  8. Ótimo texto, acho que toda mãe de primeira viagem "de escola" deveria ler.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. adorei essas dicas, mas fiquei impressionada com a minha afilhada que ja começou a estudar no dia 1 q n teve nada nem choro, nem dores nadica de nada... rsrsrs. o fato e q conversamos muito com ela com mais de um mes de antecedencia q ela ja tava uma mocinha e como o tio dela(a mae engravidou na adolescencia e o tio tbm e criança) tbm iria para escola, falei das coisas boas como, la vai ter parquinho vc vai fazer um monte de amiguinhos e etc. e como ela muito nova tbm ia levar e buscar o tio junto com a avó ela ja sabia o q era a escola, acho q isso ajuda bastante. bjs

    http://educandoocoracao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Oie Cris adorei o seu post.
    Estou aqui anotando todos os detalhes para quando chegar a hora do Samuel.
    Espero que seja em agosto e que não tenha maiores traumas.
    Bjks

    ResponderExcluir
  12. Amigaaaaaaaaaaaaaaaaa, tô em crise!!!
    Nem pareço uma professora tão experiente com a mudança de JM de escola... buábuá

    ResponderExcluir
  13. Eu concordo. Os pais sofrem mais do que os filhos. Esses, adoram! Beijos e meus parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  14. Olá pessoal
    Percebi, lendo os comentários, que todas nós sofremos muito mais que os pequenos quando temos que cortar o cordão umbilical nos primeiros anos escolares.
    Adorei compartilhar com vocês essa visão de professora.
    Espero que aquelas que estejam passando por esse momento, possam acreditar que tudo vai dar certo e no futuro o que ficará será as lembranças desses momentos.
    E acreditem....as crianças vão esquecer de tudo.
    Beijocas
    Cris Chabes

    ResponderExcluir
  15. Oi, Cris! Adorei seu post! Eu também estou passando por essa fase de adaptação na creche. O Theo tem 1 aninho e meu coração está apertado, morrendo de culpa e de dó.
    Escrevi no meu blog um post exatamente sobre isso, sobre o momento de cortar novamente o cordão umbilical. Com certeza a adaptação é muito mais difícil para os pais do que para os pimpolhos.

    Beijos!
    Karla

    www.nosso-primeiro-baby.blogspot.com

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!