Educação de filhos Mamãe Lauri

Preconceito: sim, ele existe!

segunda-feira, julho 23, 2012Lauri Sousa



"Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, 
por sua origem ou ainda por sua religião. 
Para odiar, as pessoas precisam aprender e, 
se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar."
Nelson Mandela
 
Faz um tempinho que eu queria abordar este tema, acho que é um assunto delicado, por vezes polêmico, algumas pessoas vão concordar comigo, outras não e algumas simplesmente preferem não entrar nesta questão.

Na minha opinião, o motivo dessa polêmica em torno do assunto se dá pelo fato de o preconceito geralmente se apresentar de maneira sutil e disfarçada nos adultos. Mas na infância, adolescência é bem explicito mesmo. E quando eles tem preconceito, discriminam mesmo, isolam o outro.

O motivo de eu querer tratar deste assunto aqui é porque nós, os pais, somos os grandes responsáveis pela formação do nosso filho. Crianças e adolescentes preconceituosos provavelmente tenham atitudes assim por já terem observado em casa, já que aprendem por imitação. Ou o próprio instinto de rejeitar o que é diferente, e não houve correção de rumos neste caso.

Vivemos em um mundo de diferenças, não tem como fugir disso. Precisamos aprender a conviver com as diferenças e passar isto de alguma forma para os nossos filhos, ensiná-los a respeitar o próximo assim como são, com suas convicções, credo, raça ou qualquer outra diferença.

Quanto mais cedo essa questão for trabalhada na cabecinha deles, melhor, já que é na infância que o caráter e a personalidade deles está se formando.
Preconceitos de todos os tipos: raciais, sociais, regionais, se a pessoa e baixinha, se é muito alta, se é gordinha ou magrinho demais, se tem alguma deficiência... a lista é imensa, por isso ninguém está imune a ele.

A questão é, como preparar meu filho para enfrentar um mundo preconceituoso, sim, preparar porque eu não estarei o tempo todo ao lado dele, senão eu mesma o defenderia com todo prazer. 

Como preparar os nossos filhos para se defenderem e também respeitar e lidar com todos os tipos de diferenças que eles encontrarão pela frente?


Essa é realmente uma grande preocupação que eu tenho...
Sei que é preciso preparar nossos filhos inclusive e principalmente para a escola, já que é lá que passarão grande parte do tempo. Nem sempre eles vão encontrar professores preparados para lidar com a questão do preconceito, que nem sempre irão intervir como deveriam.

O que fazemos em casa é tentar contribuir para que ele tenha sempre a autoestima elevada, elogiá-lo fazendo com que se sinta seguro em relação a si mesmo, tenha confiança em si mesmo e assim nada ou ninguém possa fazer com que ele se sinta inferior, temos sempre o cuidado com as criticas, tendo o cuidado de reprovar apenas o mau comportamento e não ele como pessoa, estando sempre atentos, observando o comportamento dele. 
Pedindo sempre direção e sabedoria a Deus porque eu sei que não é tarefa fácil.
Assim como os meus pais também me prepararam...

Um dia desses no parquinho (sempre no parquinho...rsrs) com meu filho, fiquei observando algumas crianças brincar e entre elas tinha um menino que tinha uma deficiência e as outras crianças riam e não brincavam com ele, eu fiz questão que o meu filho fosse brincar com ele, não por pena mas porque é este o caráter que eu desejo no meu filho, o de respeitar o próximo, e por entender que uma deficiência ou diferença não anula o que a pessoa é na essência.
E viva as diferenças!

E vocês, como vocês tratam este assunto em casa?


"... Eu tenho um sonho.
 O sonho de ver meus filhos julgados pelo seu caráter, 
não pela cor de sua pele..."
Martin Luther king

Beijos e ótima semana!
Mamãe Lauri
laugsousa@yahoo.com.br

VEJA MAIS POSTAGENS

6 comentários

  1. Olha tem pais que infelizmente ensinam preconceitos para os filhos. O que é isso?? criança pergunta tudo o que é novo. Cabe aos pais explicar com naturalidade e respeito!!! Cris

    ResponderExcluir
  2. Oi Lauri!
    É verdade, nós pais temos que ensinar os nossos filhos a respeitar as diferenças.
    Eu lembro que quando era pequena sempre fui muito amiga de todos, independente da cor, religião ou outros fatores. Na minha casa minha mãe era muito amável com todas as pessoas.
    Ótimo texto, beijos amiga e uma feliz semana!

    ResponderExcluir
  3. Oi Lauri querida...adorei o tema do seu post. È muito importante pensarmos mais sobre o assunto...eu acredito que quem ensina o preconceito pras crianças somos nós adultos. As crianças não nascem preconceituosas...aprendem isso com a gente. Precisamos dar o exemplo! Meninas, obrigada por sempre aparecerem pelo meu blog...amo vocês! Bjos!

    ResponderExcluir
  4. Olá Lauri, muito bom tocar nesse assunto.
    Vamos por parte:
    Na escola em que trabalho há uma classe para alunos com necessidades especiais. Eles ficam metade no tempo com uma professora que trabalha suas dificuldades e no outro conosco. Já tive alunos com laudos diferentes (autismo, psicose, paralisia cerebral) em anos diferentes. Os amiguinhos sabiam que a criança tinha dificuldades e procuravam ajudar, mas nunca vi risos ou deboches por parte da classe. Talvez por que a inclusão seja normal dentro da escola, afinal somos todos iguais e diferentes, certo?
    Aqui em casa ensinamos os meninos a respeitar o outro sempre. Uma vez meu filho estava com o primo no metrô e uma amiga do meu sobrinho veio cumprimentá-los e estranhou o parentesco, visto que meu filho é branco e meu sobrinho negro. Qual o problema....somos todos "vermelho" por dentro certo? Não é a nosso cor que nos define.
    O preconceito vai além da cor, religião ou comprometimento intelectual, está na forma como julgamos o comportamento alheio, na maneira de expressar um pensamento, na atitude que tomamos quando ouvimos um relato nos meios de comunicação ou até mesmo em casa.
    Se alguém pinta o cabelo de roxo ou verde qualificamos a pessoa de esquisita, se falam alto na fila do banco pensamos que é mal educada, se tem religião diferente ou jogam sujeira no chão dissemos que é ignorante.
    Ninguém pode julgar sem olhar para dentro de si e crer que temos também nossos defeitos.
    Então tomar uma atitude de desrespeito com o outro é a pior forma de se ter PRECONCEITO.
    Adorei o post.
    Somos todos iguais perante Deus, então XÕ PRECONCEITO.
    Beijocas
    Cris Chabes

    ResponderExcluir
  5. Olá queridas, obrigada pelo comentário e opinião de cada uma.
    O que podemos fazer mesmo é tentar fazer a nossa parte em casa da melhor maneira possivel.
    Um beijo em todas,
    Lauri

    ResponderExcluir
  6. Lauri ... que post mais incrível!

    Temas assim geralmente são abordados com tons de críticas e até geram polêmica, o seu nos faz realmente parar e pensar no futuro dos nossos filhos! Que lindo ... parabéns!

    Beijos, Má
    monmaternite.com

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!