Colaboradora

Convidada Especial

segunda-feira, janeiro 31, 2011O mundo da Dani

Eu não sou mãe e algumas amigas que são dizem que eu tenho uma visão romântica da maternindade. Talvez que tenha mesmo...

Uma vez eu estava indo para a faculdade, o tróleibus cheio e entrou uma senhorinha bem de idade, na mesma hora, uma mulher que estava de pé, pediu que a filha, uma menina de mais ou menos 8 anos cedesse o lugar à senhora, a menina o fez e a velhinha disse à mãe: "Parabéns! A mão que embala o berço é a mão que rege o mundo".
Desse dia em diante, sempre que eu penso na maternidade eu penso " a mão que embala o berço é a mão que rege o mundo". Sei que a sociedade impõe às mães uma série de culpas e responsabilidades nem sempre devidas e que muitas vezes a mulher que é mãe acaba sendo anulada enquanto indivíduo e passa ser só mãe. Mas, quanto mais se tem consciência do seu papel no mundo e de que gerar e educar um indivíduo é mais do que uma realização pessoal, sendo uma missão social, mais poder a mão que embala o berço tem de reger o mundo.
Em todas as culturas e mitologias a maternidade é o doar o seu melhor para o outro e doar o outro para a coletividade numa cadeia infinita de amor e evolução. É assim que eu entendo a maternidade como a relação perfeita entre amor, consciência de si, consciência do outro e consciência de mundo, sendo que, um sem o outro acaba por desajustar a engrenagem. Quanto mais sólidos estes pilares, mais resiliência a mãe tem, seja diante de dia duro de trabalho após uma noite mal dormida ou de um "eu te odeio" do filho adolescente.
No mais, considero a maternidade uma bela e nada fácil jornada de erros e acertos que mudará radicalmente sua vida para sempre e como num jogo de videogame cada fase percorrida é uma vitória até que, no último nível, quando seu pequeno for um grande para a humanidade, você pode pensar consigo mesma: "ótimo trabalho"!

Luciana Marotti -
http://pensandocomlumarotti.blogspot.com/

VEJA MAIS POSTAGENS

5 comentários

  1. Tão bom ler um texto tão leve sobre a maternidade.
    Na verdade gostaria de ter essa capacidade de aceitar meus erros e acertos e viver mais a própria maternidade em si do que a culpa que ela me traz...
    Me fez refletir.
    BJos

    ResponderExcluir
  2. adoreiiiiiiiii
    continue nos mandando seus textos..

    obrigada
    bjus

    ResponderExcluir
  3. Adorei
    Por isso ser mãe é tão maravilhoso e difícil, uma missão de grande responsabilidade: "A mão que embala o berço é a mão que rege o mundo"

    ResponderExcluir
  4. Nossa que bacana, minha primeira visita em seu blog e já amei. Depois passa lá no meu pra fazer uma visitinha, ficarei honrada.
    Ale

    ResponderExcluir
  5. Luciana, que texto maravilhoso.
    Adorei!!!
    Você escreve muito bem, com muita sensibilidade, continue nos enviando essas preciosidades. Até rimou...rsrsrs.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!