Comportamento Mamãe Andréia

Você é uma mãe superprotetora?

terça-feira, fevereiro 26, 2013Andreia Sales


Proteção materna excessiva torna a criança insegura

Você é uma mãe superprotetora? Imponha limites sem atrapalhar o desenvolvimento da criança


Site: MdeMulher
Amor, carinho, proteção e ajuda na resolução de problemas geram segurança emocional para seu filho. Mas, se a dose for muito grande, ele ficará sufocado
Foto: Getty Images
Pesquisa da Universidade Macquerie, na Austrália, sugere que a proteção materna excessiva torna a criança insegura. A psicoterapeuta Sâmara Jorge (SP) indica o melhor caminho: deixe seu filho exercer a própria autonomia. Veja como...
Incentive a criança a fazer escolhas
Até mesmo as menorzinhas, a partir de 2 anos, podem tomar pequenas decisões, como eleger o brinquedo que querem levar para a casa da vovó. Você só supervisiona, ok?
Peça ajuda nas tarefas simples
Que tal convidar a criança para esticar os lençóis da cama ou recolher as roupas do varal com você? Ela se sentirá útil e confiante.
Não interfira na elaboração dos sentimentos
Se o pequeno está chateado com um colega, evite dizer o que ele deve fazer. Ouça a história e faça apontamentos sutis, que levem à reflexão. Assim, você o estimula a pensar numa saída.
E você que tipo de mãe é? O Recanto das Mamães  Blogueiras quer muito saber.

Esse foi meu recado de hoje.

VEJA MAIS POSTAGENS

11 comentários

  1. Minha mãe precisa ler isso. Ela fica com meu filho enquanto trabalho e ela é superprotetora.

    ResponderExcluir
  2. Passando aqui pra matar a saudade do seu cantinho, depois de alguns dias sem aparecer...
    Nos últimos dias estive meio off, e vou dedicar menos tempo ao blog agora, mas mesmo assim sempre que puder estarei aqui no seu blog pra deixar o meu carinho!
    Teu blog tá na minha lista de leitura constante, sempre passo por aqui!
    Beijos!

    www.asosmamaenadia.com

    ResponderExcluir
  3. Super concordo Andreia.
    Por isso procuro criar meus filhos para o mundo, mesmo que isso signifique me sentir insegura, mas sei que eles precisam ser independentes para sobreviverem a lei da selva que nós adultos impomos ao mundo!

    ResponderExcluir
  4. Sou uma mãe super protetora e sei disso, mas já estou me controlando!
    Adorei o post!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. ah! tava indo bem eu mas no terceiro
    me parei rs, já interferi muitas vezes
    nesse assunto agora vou me regular rs
    amei a postagem bjs

    http://sermamaepelasegundavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá meninas!
    Será?
    Bacana esse post, uma ótima reflexão pra nós. Parabéns!!!
    Mas, acredito que eu não sou, deixo até elas mt largadas...penso além - elas não me terão pra sempre...então, busco a autonomia delas.

    Meninas, citei vcs no meu blog, passem lá e se quiserem aceitem o convite.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Olá Andréia, muito boas dicas, eu nunca fui super protetora pelo contrário, já recebi criticas por não me "preocupar" com minhas filhas, por que incentivava muitas coisas que p outros era absurdo, tipo pegar ônibus com 12 anos, a minha mais velha voltava da escola de ônibus com a minha mais nova qdo minha mãe morreu eu trabalhava e passei um tempo desestruturada, hj ela é super independente! E desde os 17 anos já mora sozinha em outro estado fazendo faculdade! Filhos são do mundo não nossos! Bjoooss

    ResponderExcluir
  8. Ainda não sou mamãe, mas pretendo ser um dia!
    Gostei muito do blog, parabéns, meninas!!

    ResponderExcluir
  9. Como eu tive mãe superprotetora, a minha tendência é repetir as atitudes...então, venho me policiando para deixar meu filho mais solto, fazendo suas escolhas e intervindo quando necessário. Mas, confesso que é bem dificil.

    ResponderExcluir
  10. Olá Andréia eu adorei o texto e o tema
    Quando os meninos eram pequenos eu era uma mãe protetora no que diz respeito a deixar brincar no pátio do prédio até tarde, tomar sorvete quando não está muito quente, andar descalço, etc.....
    Agora aprontou.....nem me diga que o amigo começou.....que não adianta. Arcava com as consequências.
    Uma vez os meninos e meninas se juntaram para fazer um piquenique no fundo do prédio. Daí que depois da farra o porteiro reclamou da bagunça deixada.
    Nem pensei duas vezes, peguei a vassoura e dei para os meus filhos iram arrumar. Eles foram sobre protesto, mas aprenderam a lição.
    Nem me importa se tinha mais crianças. Sujou limpa. Quebrou, paga. Ta junto vai assumir.
    Superproteger e deixar de responsabilizar é muito perigoso. A criança cresce com a sensação de que pode fazer o que quiser e o pai vai passar a mão na cabeça.
    Cada um sabe do seu filho.
    Beijocas
    Cris Chabes

    ResponderExcluir
  11. Andreia, um ótimo post para refletir. Eu não me acho muito protetora não. Sou bem de etimular a criar asas. Mas posso melhorar pedindo que me ajudem mais.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, ficamos felizes!